Brasil
Publicada em 01/04/2013 - 10h07
Estilo ‘lata de sardinha‘: grupo relata experiência de viver em containers
Economia de até 30% por metro quadrado de construção é um atrativo
Arquivo Pessoal/ Carla Dadazio

O espaço é pequeno, mas para a família do servidor público Caio Hansen Alvares Leite, de 33 anos, a opção de morar em uma “lata de sardinha plug and play” foi a alternativa de aproveitar um container marítimo e adaptá-lo para um lar. “Bastou ligar na ‘tomada’, na rede de água e saída de esgoto, que já estava funcionando como moradia”, explica.

Apesar de não ser uma novidade no país, os proprietários de casas de aço na região de Campinas (SP) contam que não é nada fácil conseguir as estruturas adequadas com os fornecedores e que é necessário empenho em pesquisas para conseguir fazer uma obra sustentável.

Segundo os arquitetos de Valinhos (SP), Carla Dadazio, de 34 anos, e Ruan Lacerda, de 24 anos, que trabalham em um escritório adaptado no container e também desenvolvem projetos para essas estruturas, o visual moderno, ecologicamente correto, agilidade da obra e a parte estrutural econômica, são os pontos valorizados pelos clientes que escolhem a estrutura para moradia. “O preço também é um atrativo, pois o valor final por metro quadrado de construção chega a uma economia de até 30%”, afirma Lacerda.

As tendências para as novas construções são importadas do Japão, EUA e Europa. No entanto, as instalações no Brasil devem seguir as determinações da legislação de cada município, explica a arquiteta Carla, que utilizou dois containers um sobre o outro, sendo o térreo utilizado para trabalho e segundo andar como residência.

Ainda de acordo com os arquitetos, a estrutura é resistente e pode durar até 90 anos dependendo da conservação, pois o container é projetado para suportar diversas intempéries e grandes cargas.

 

Conceito "plug and play"

A instalação escolhida pela família de Leite foi um recipiente de carga marítima reciclada, que chegou numa carreta, foi adaptado para alojamento e depois instalado no sítio em Limeira (SP). Ele conta que depois de muitas pesquisas e até mesmo conversas pela internet com pessoas que vivem a experiência de ter esse tipo de moradia, escolheu o container por ser uma opção de baixo impacto ambiental, instalação rápida e prática. “Soube de antemão exatamente quanto gastaria e o tempo necessário, o que não ocorre nas construções de alvenaria (...) tivemos a preocupação de obter um laudo atestando a que era possível morar no container conforme normas técnicas da ABNT”, disse.

São apenas 12 metros de largura, com uma área interna de 30 metros quadrados, dividido em sala, quarto, banheiro e cozinha. A instalação tem uma porta e seis janelas de alumínio. “O tamanho é superior a algumas quitinetes, e quando bem divido, permite um bom aproveitamento”, explica o servidor público.

O proprietário do módulo explica que com algumas melhorias que precisou fazer gastou uma média de R$ 45 mil, sendo R$ 29 mil para adequar o container, R$ 2 mil para o transporte e instalação, e para melhor conforto térmico fez um telhado de R$ 13,5 mil. Segundo Leite, para evitar que o local se transforme em um “forno”, foi necessário fazer uma instalação com boa ventilação e isolamento apropriado para evitar as interferências da exposição ao sol. O revestimento das paredes da parte interna foi feito em PVC e do teto com isopor.

A proposta uniu as ideias da família Leite como uma opção de moradia e preservar a área verde da propriedade. Além disso, eles pretendem aproveitar a área externa da estrutura para alojar alguns cachorros e gatos acolhidos na cidade.

 



Fonte: G1 - 31/03/2013
Tags:Container, Casa Ecológica, Sustentabilidade, Plug and Play
Mais notícias

20/10/2014 – Paulista muda com prédio alto e retrofit
Após 39 anos, Torre Matarazzo, ainda em construção, atinge 125 metros; outros nove edifícios da via passam por reformas...


17/10/2014 – Inventários de emissões de gases ajudam Brasil a bater meta até 2020
Conheça o levantamento que serve de apoio para os setores público e privado por uma atmosfera mais limpa...


17/10/2014 – FSC e ONG TETO criam parceria para uso de madeira certificada
Madeira será utilizada na construção de moradias de emergência em todo Brasil...


17/10/2014 – E se a sua janela atuasse como um painel de energia solar?
Empresa desenvolve tecnologia para que vidros possam funcionar como placas fotovoltaicas...


15/10/2014 – Em busca das boas práticas de ocupação e operação
Cresce o número de centros logísticos em processo de certificação no País...


15/10/2014 – Campinas tem o primeiro empreendimento a receber o selo AQUA no interior de SP
O complexo conta com 368 apartamentos e diversas tecnologias que favorecem a eficiência energética e a economia de água...


15/10/2014 – Munique quer ser ‘metrópole da sustentabilidade‘ até 2025
Terceira maior cidade alemã, Munique tem mais de um milhão de habitantes...


15/10/2014 – BIM: integrando e informatizando
Diversas áreas da construção se unem através de processo computadorizado...


13/10/2014 – Muito além do que os olhos veem
Entenda que há muito mais do que estética na escolha do vidro para uma construção sustentável ...


14/10/2014 – Copenhague é segunda cidade no mundo a tornar obrigatórios os telhados verdes
A primeira cidade foi Toronto, que já conquistou 1,2 milhão de metros quadrados verdes...


VER MAIS >
Publicidade | Anuncie
Banner topo
Notícias
Vídeos
Edição do Mês
Guia de Serviços
Olho Mágico
Publicidade | Anuncie
Banner topo


Publicidade | Anuncie
Banner botão
Cushman 02/07/2013
Rain Bird
Regional Telhas
Comfort Lux - 08/05/2014
Indústrias Tosi